Assessor de deputado e ex-prefeito estão entre os presos na “Operação Lateronis”

A “Operação Lateronis”, deflagrada pela Polícia Federal, Ministério Público Federal e Controladoria Geral da União, na manhã desta quinta-feira (23), resultou na prisão preventiva de um assessor de deputado federal, de um ex-prefeito de Ribeirão do Largo (distante 243 km de Ilhéus), ex-vereadores, inclusive um ex-presidente de Câmara Municipal, ex-secretários municipais e empresários. Os nomes não foram divulgados.

A força-tarefa investiga desvios em recursos da educação em uma cidade mineira e 16 municípios da Bahia. Em coletiva de imprensa realizada na delegacia da PF em Vitória da Conquista, o delegado Rodrigo Kolbe disse ainda que dois ex-prefeitos – de Itambé e Encruzilhada – vão ser ouvidos na próxima segunda-feira (23) pela corporação.

Entre os mandados, foram cumpridos nove de prisão preventiva, quatro de prisão temporária, 13 medidas cautelares e 41 de busca e apreensão na Bahia. A ação contou com a participação de 160 policiais federais e 16 auditores da Controladoria-Geral da União (CGU).

Entre os anos de 2010 e 2016, a organização criminosa investigada obteve aproximadamente R$ 140 milhões em contratos, dos quais teriam sido desviados pelo menos R$ 45 milhões em razão das fraudes apuradas. Parte dos valores recebidos pelas cooperativas era repassada a servidores públicos, no intuito de corromper agentes políticos e interferir em decisões dos poderes Executivo e Legislativo municipais, além de financiar ilicitamente campanhas eleitorais como forma de se manterem dominantes no poder.

“O que a gente percebe é a tendência das empresas de se estabelecerem no município de Barra do Choça. Foi uma característica dessa operação de hoje. Vamos acionar o MP-BA para entender como prefeitura tem liberado alvará de funcionamento para essas empresas que não existem”, disse Kolbe.

O nome da operação, Lateronis, é uma referência aos soldados da Roma antiga, que guardavam as laterais e as costas do imperador e que, de tanto estarem ao lado do poder, passaram a acreditar que eram o próprio poder e que podiam atuar de forma impune ao cometerem delitos contra os mais pobres.

Com informações de Bahia.ba/politica

Mário Cardoso

43 anos, Graduando em Letras pela Universidade Estadual de Santa Cruz, colaborador deste site, administrador dos grupos Ilhéus Empregos e Classificados Ilhéus X Itabuna no Facebook.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *