HÁ 12 ANOS EM CARTAZ, TEODORICO MAJESTADE FAZ ÚLTIMA APRESENTAÇÃO DO ANO NA TENDA

Um prefeito prestes a perder seu mandato por conta de denúncias que vieram a público. Num contexto como esse, poderia a arte ter um papel político? O espetáculo “Teodorico Majestade: as últimas horas de um prefeito” é uma sátira política em formato de cordel, construindo um protesto bem-humorado que mostra o lado ridículo dos bastidores da política corrupta e que, ao mesmo tempo, conclama o povo a exercer seus direitos de cidadão.

Em cartaz há 12 anos – desde 26 de novembro de 2006 – a montagem surgiu como um posicionamento do Teatro Popular de Ilhéus diante dos escândalos ocorridos na cidade. No ano seguinte, a repercussão da peça contribuiu para a mobilização da população ilheense contra o então prefeito Valderico Reis, tendo histórica importância na cassação de seu mandato.

Inspirada na literatura de cordel, na xilogravura e no cancioneiro nordestino, a peça narra o drama do prefeito da fictícia Ilha Bela, acuado em seu gabinete, cercado pela população revoltada com suas trapaças. Boca-suja e beberrão, o alcaide se vê abandonado pelos seus comparsas e, num ato de desespero para se manter no poder, tenta negociar com o povo, que pede sua cassação imediata. O espetáculo tem texto e direção de Romualdo Lisboa e conta com Ely Izidro no papel do prefeito “Teodorico Majestade”; Takaro Vítor como “Malote”; Tânia Barbosa como “Maria Antônia das Armas; Aldenor Garcia como “Gersinaldo Quina”; e Cabeça Isidoro como o “Cantador”.

A comédia recebeu duas indicações ao Prêmio Braskem de Teatro em 2008, e já rodou diversas cidades do interior da Bahia e na capital do estado, além de ter se apresentado em palcos do Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo, Paraná, Alagoas e Pernambuco. Participou, a convite da Cooperativa Paulista de Teatro, da VI Mostra Latino-Americana de Teatro de Grupo em 2011. No mesmo ano, se tornou tema de documentário que, dirigido por Elson Rosário, foi selecionado para um edital da Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura. A relevância dessa montagem chegou ainda ao território acadêmico, se tornando objeto de uma dissertação de mestrado apresentada em 2017 pela comunicóloga e professora Karoline Vital no Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Estadual de Santa Cruz.

Teodorico Majestade retorna ao seu palco de origem para a última exibição do ano, que ocorrerá na próxima sexta-feira (21), às 20 horas, na Tenda do Teatro Popular de Ilhéus. A classificação é 14 anos, e os ingressos, que custam R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia), já estão à venda na Livraria Papirus, no site do TPI (www.teatropopulardeilheus.com.br/programacao), podendo ser obtidos ainda na bilheteria do evento. O TPI lembra ainda que aqueles que não têm direito à meia-entrada podem adquirir o Cartão Fidelidade TPI, que por apenas R$ 25 anuais dá o direito à meia entrada em todos os espetáculos da companhia.

No dia seguinte tem mais

No mesmo final de semana a Tenda TPI recebe ainda o espetáculo “Carranca”, de Gilberto Moraes, da Cia. de Teatro Mistura, de Ibotirama/BA. O ator interpreta Zé das Carrancas, personagem pitoresco e engraçado que canta e declama seus versos e rimas sobre a magia das carrancas – esculturas de madeira que ficavam nas proas dos barcos dos pescadores com o objetivo de espantar os maus espíritos, afugentar mal olhado e proteger os barqueiros.

Ainda estão presentes no imaginário popular dos ribeirinhos, esses objetos, rodeados em mistérios, são elementos de cena desse espetáculo que retorna mais uma vez à Tenda Teatro Popular de Ilhéus, sendo exibido neste sábado (22), às 20h. A classificação da peça é 18 anos. Os ingressos custam R$ 30 e R$ 15, e também podem ser adquiridos na Livraria Papirus, no site do TPI e na bilheteria do evento.

O Teatro Popular de Ilhéus é uma instituição cultural mantida pelo programa de Ações Continuadas de Instituições Culturais – uma iniciativa da Secretaria de Cultura da Bahia com recursos do Fundo de Cultura do Estado da Bahia, mecanismo que custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.