Bahia: Os efeitos do desabastecimento com a Greve dos caminhoneiros

Já indo para o quinto dia de paralização que os caminhoneiros de todo o pais estão promovendo, é natural que setores da economia sofram as consequências da falta de reposição e abastecimento. Desde alimentos, insumos e combustíveis, tudo o que dependa de transporte rodoviário par ser entregue, esses setores tem dificuldades em manter os estoques e serviços operacionais.

Posted by Douglas Amaral on Thursday, 24 May 2018

Mesmo a causa sendo justa na visão da classe, e com apoio de grande parte da população, a queda de braço entre governo e grevistas continua. O Ilhéus em Pauta fez um resumo do que está ocorrendo no Estado:

Embasaem nota publicada no site da Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa) avisa “que a população deve economizar água e usá-la de forma racional até que a entrega de produtos químicos e de combustível, prejudicada pelos bloqueios nas estradas do País desde a segunda-feira (21), seja normalizada. Por causa da iminente escassez de produtos químicos para a produção de água tratada, a empresa recomenda moderação no consumo de água e priorização de usos. Também, por conta de escassez de combustível nos postos, a empresa está priorizando a realização de serviços de manutenção programados e emergenciais que sejam mais urgentes e inadiáveis”.

Posted by Douglas Amaral on Thursday, 24 May 2018

Combustíveis –  De acordo com o portal G1, subiu para 95% o índice de postos sem combustíveis na Bahia nesta sexta-feira (25), segundo informações do Sindicato do Comércio de Combustíveis, Energias Alternativas e Lojas de Conveniência do Estado (Sindicombustíveis).

De acordo com a entidade, em Salvador e região metropolitana o percentual de 95% dos postos sem combustíveis se repete. Na quinta-feira (24), cerca de 70% dos postos da Bahia estavam sem combustíveis. Na capital, a escassez atingia 50% dos estabelecimentos. Segundo dados do Sindicombustíveis, o estado conta com 2, 8 mil postos. Deste total, 250 ficam em Salvador e região metropolitana.

Transporte público – ainda de acordo com informações do portal G1, em Feira de Santana, a cerca de 100 quilômetros da capital baiana, a frota de ônibus disponibilizada para os moradores é de 70%. Segundo a prefeitura, a medida é preventiva e vai até as 17h desta sexta-feira. A partir deste horário, por conta do maior fluxo de passageiros, a frota será normalizada até as 19h. Depois, a redução será retomada.

A realidade é semelhante em Vitória da Conquista, na região sudoeste. Por lá, as duas empresas que operam o transporte coletivo também reduziram a frota nas ruas em 30%. Além disso, os ônibus que estão circulando estão fazendo rotas menores para economizar combustível.

Em Juazeiro, no norte do estado, 90% dos ônibus estão na ruas e as pessoas enfrentam espera de uma hora nos pontos. Entretanto, o estoque de combustível das duas empresas que operam na cidade está em

Em Ilhéus, a Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito também decidiu reduzir a frota e irá operar com quase 70%. A cidade tem 120 ônibus no total, mas apenas 80 estão rodando. Empresas como a Rota Transportes, com sede em Itabuna, emitiram comunicado nas redes sociais informando a população das dificuldades de manter os serviços, caso a paralização se prolongue por mais tempo.

Educação – Faculdade Madre Thais e Faculdade de Ilhéus emitiram comunicados aos alunos e funcionários informando que as aulas do período noturno de hoje (25) nas duas instituições foram suspensas. Não conseguimos apurar se as demais faculdades e universidades como a UESC e UFSB tiveram a mesma atitude.

*Créditos: Douglas Amaral ‎Motoboy´s e Entregadores

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.