Há um ano, a promessa de 300 empregos com a vinda do Assai está cada vez mais distante

Hoje a cidade de Ilhéus faz 484 anos de fundação. E há exatamente um ano atrás, uma noticia que seria um dos grandes triunfos e acertos da administração Mário Alexandre (PSD), não saiu sequer do papel. Trata-se da vinda de uma unidade do Assai Atacadista (relembre aqui) , que geraria 300 empregos diretos e outros milhares indiretamente, dando pelo menos um sopro de vida à economia local, e claro, além de gerar emprego e renda, tão necessários à região.

Mas pelo menos por enquanto, ficou apenas na promessa e na urgência de se anunciar algo que beneficiaria centenas de pessoas sem ter vencidas todas as etapas necessárias a sua implantação. A grosso modo, e baseando em dados, se tomarmos como base uma família – padrão composta de 4 indivíduos (pai, mãe, dois filhos), no minimo e se todas essas trezentas pessoas fossem contratadas, 1.200 pessoas seriam impactadas diretamente (300 X 4 indivíduos = 1.200) e outras milhares indiretamente, traria visibilidade à região e poderia ser óbvio, objeto politico para uma futura reeleição, mas com o olhar de expectador e lendo essa matéria, você caro leitor pode estar se perguntando: “O que foi que deu de errado”?

“Queimou-se” etapas, essa seria a resposta lógica. E mais uma vez, como mencionado no inicio da matéria, a pressa em se anunciar um grande feito foi maior do que dar sequencia ininterrupta até a sua conclusão. E o Ilhéus em Pauta, mais uma vez fez o dever de casa: consultou as partes envolvidas e as respostas não foram nada animadoras:

Por e-mail, mais uma o  INEMA não comenta o andamento de processos,  “é só dá esclarecimentos aos reponsáveis pelo caso em questão”.  Já o grupo Assai, por meio de sua assessoria,  informou que “infelizmente, nada de novo”.

Tentamos contato por telefone junto a SEPLANDES  de Ilhéus, porém sem sucesso. Porém, o vice – prefeito de Ilhéus, José Nazal, que era responsável pela pasta até o inicio de maio desse ano, nos retornou por e-mail a nossa solicitação. Salientou mais um vez que não é mais o responsável pela SEPLANDES, mas que “há quinze dias atrás mantive contato com o engenheiro responsável e de fato depende da liberação do ASV para dar inicio as obras”.

E de fato, parece que tudo gira em torno desta bendita autorização. O empreendimento do ASSAI está aprovado urbanistica e ambientalmente no município, porém, por se tratar de supressão de vegetação na área de Mata Atlântica, é exigido Autorização de Supressão de Vegetação (ASV) por parte do INEMA.

Há quase dois anos, a administração atual não fez nada de significativo para a cidade e em alguns casos, piorou em alguns setores como a saúde por exemplo, onde você pode relembrar aqui no Ilhéus em Pauta mais uma entrave que impede Ilhéus a ter de volta e por direito, o espaço que ele merece. Resta esperar por dias melhores.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.