Itabuna: Empresa de Telemarketing retoma atividades após interdição suspensa por juíza

A empresa Tel Telemática, empresa de call center localizada na JS Pinheiro, em Itabuna (relembre aqui), conseguiu liminar concedida pela juíza da primeira vara do trabalho de Itabuna, Andréa Mariani. A magistrada decidiu suspender imediatamente a interdição na sede da empresa feita pelo Ministério Público do Trabalho.

Já houve manifestações de funcionários em março desse ano, exigindo melhores condições de trabalho. Naquela  época, o presidente do Sinttel, Joselito Ferreira, reclamou do salário base , que era um pouco mais de um salario mínimo, do limite de 20 minutos para lanche dos funcionários e irregularidades no banco de horas. A interdição feita pelos auditores fiscais do trabalho ontem (16), confirmaram o que o MPT  já havia detectado no inquérito que abriu para apurar o caso. Foram encontrados irregularidades quanto à concessão de repouso semanal remunerado, à utilização irregular de sistema de banco de horas, ao trabalho nos dias de domingo à realização de horas extras e à duração da jornada diária de trabalho, que no setor de call center é limitado a seis horas diárias, com possibilidade de eventuais acréscimos de até duas horas extras por dia.

O procurador do trabalho Ilan Fonseca, que preside o inquérito no MPT, informou que a solicitação para apurar os fatos foi feita a partir das informações colhidas nas investigações do MPT, e desde fevereiro, todo o processo teve carater sigiloso.  A empresa é alvo de outros inquéritos e ações civis públicas
movidas pelo MPT por diversas situações, desde assédio moral, problemas na oferta de alimentação aos funcionários, atrasos no pagamento de salários e acreditem, controle de idas ao banheiro. POr essas razões ,  O MPT decidiu interditar, alegando que a empresa estava desrespeitando os direitos dos trabalhadores. A empresa alegou que não teria sido notificada e decidiu entrar com o pedido de liminar.

A Tel Telemática já atua em Itabuna desde 2015 e emprega mais de 500 pessoas e há informações de um projeto de expansão, onde se pretende construir uma sede maior e contratar mais 1.500 pessoas. Vários veículos de imprensa, inclusive o Ilhéus em Pauta,  tentou contato com a empresa, porém a mesma não retornou os contatos nem lançou nota a respeito. Veja abaixo a decisão proferida pela magistrada a respeito:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.