Lembra da Feirinha do Guanabara? Vai mudar de lugar, segundo a Prefeitura

Com informações da Secom / Ilhéus

A Prefeitura de Ilhéus, através das secretarias de Planejamento e Desenvolvimento Sustentável (Seplandes) e de Indústria e Comércio (Sedic), desenvolveu um projeto alternativo para a realocação da Feirinha do Guanabara, instalada na Rua Firmino Elói, há algumas décadas, em outro local no centro da cidade. Além de proporcionar uma nova infraestrutura para feirantes e consumidores, o projeto prevê a incorporação do comércio de frutas feito por ambulantes na área central.

De acordo com o projeto, a nova Feirinha do Cais seria transferida para o espaço onde antes as barraquinhas de fogos de artifício se instalavam, durante a temporada junina, nas proximidades do Terminal Urbano Rodoviário. “Uma solução simples, com sanitários e depósito, mais higiênica, harmônica, muito mais organizada e aprazível, numa localização privilegiada”, afirma o secretário de Comunicação Social, Alcides Kruschewsky.

Há muito tempo se estuda uma alternativa para a transferência da Feira do Guanabara, uma vez que o atual espaço ficou inadequado e não atende a diversas exigências legais. O gerente de Políticas de Fomento da Secretaria de Indústria e Comércio, Júlio Melo, vê a solução como uma garantia de continuidade da tradicional feirinha.

No formato atual, a área possui possui 56 barracas, com a mudança de área, pretende se criar mais um fluxo alternativo para o trânsito em direção a zona sul da cidade (Foto: Secom Ilhéus)

“Do jeito que está, no meio de uma rua, utilizando um espaço inadequado que não oferece as condições básicas e legais para o funcionamento dessa atividade, nada garante a permanência futura dos feirantes, naquele local.  Queremos organizar e evitar que medidas necessárias para a satisfação dos princípios legais, como os relativos à segurança alimentar, venham a ser determinadas por outros órgãos que representam a sociedade, surpreendendo os que dependem dali para geração de renda”, argumenta Melo.

Ele acrescenta que “com a feirinha melhor estruturada, uma nova clientela poderá ser conquistada e passará a adquirir produtos ali”. Para Júlio Melo, as alternativas de espaço no centro histórico da cidade são restritas. As áreas do antigo porto ou mesmo junto ao terminal, onde funcionou a antiga fábrica de chocolate, não pertencem ao município, o que exigiria um alto investimento para a realocação, cujos recursos a Prefeitura não dispõe.

Conforme o urbanista Alexandre Amorim, “uma vez desocupada, a rua Firmino Elói deverá ser usada para o reordenamento do trânsito, com melhor organização do fluxo de veículos na direção ao bairro do Pontal, conforme estudos que estão sendo desenvolvidos”. Ele pondera que os benefícios para a cidade não param por aí. “Os ambulantes que hoje comercializam frutas no comércio central de Ilhéus terão um local para exercerem suas atividades sem causar transtornos ao ir e vir das pessoas”, enfatiza Amorim.

De acordo com projeto, vai aumentar a quantidade de barracas para 90 unidades, além de revitalizar a área e outras benfeitorias, segundo a prefeitura (Foto: Ilustração Secom Ilhéus)

Projeto – O espaço comporta aproximadamente 90 barraquinhas. A atual feirinha do Guanabara possui cerca de 56 feirantes. O projeto prevê também a destinação de 900m² para estacionamento rotativo, com 50 vagas, e a construção de 700m² de passeios, que interligará o Terminal Rodoviário Urbano à Ponta da Pedra. No centro das barraquinhas foi idealizado um pequeno espaço para alimentação, com pérgola de madeira de eucalipto tratado que possibilitará sombreamento. Algumas pias serão estrategicamente instaladas para a necessidade de higienização.

Além disso, o formato barracas será padrão e desmontável.  A proposta inclui três containers. Um deles será o espaço dos sanitários e os outros funcionarão como pequenos depósitos para guardar as barraquinhas nos dias em que a feira não estiver funcionando. Por determinação do prefeito Mário Alexandre, a Secretaria de Indústria e Comércio vem realizando reuniões com os feirantes para discutir o projeto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.