Mundo: Ruptura de represa no Quênia; 32 mortes confirmadas

Nairóbi, 10 mai (EFE).- Pelo menos 32 pessoas morreram e muitas seguem desaparecidas após na quarta-feira uma represa se romper na cidade de Solai, no sudoeste do Quênia, informaram nesta quinta, fontes da polícia.

Mais 12 corpos foram recuperados, aumentando para 32 o total de mortos, confirmou o chefe da polícia local, Japheth Kioko. As operações de resgate seguem em andamento e o número de mortos pode aumentar, pois muitas pessoas seguem desaparecidas, enquanto centenas de famílias ficaram desabrigadas.

A represa, localizada no condado de Nakuru, se rompeu ontem, por volta das 21h (hora local) e a água inundou campos de agricultura, assim um shopping, vários escolas e outros edifícios da cidade de Solai.

Até o fim das operações de resgate, por volta de 1h (hora local), cerca de 40 pessoas foram recuperadas presas na lama e levadas para hospitais da região. Segundo testemunhas citadas pelo jornal “Daily Nation”, foi ouvida uma explosão no final da noite de ontem antes que a água começasse a brotar, destruindo centenas de casas.

Trata-se de uma grande barragem localizada na parte superior de um total de três reservatórios de propriedade privada, que servem para abastecer as fazendas e terras de cultivos da região.

As outras duas represas estão em bom estado, mas também contêm uma grande quantidade de água, e mais de 20 famílias foram retiradas do local para evitar novos desastres. O ministro do Interior, Fred Matiang’i, afirmou que enviará esta manhã um contingente de ajuda para o local, onde trabalham equipes de resgate do condado de Nakuru, a Cruz Vermelha queniana, e o Serviço Nacional de Juventude.

O Quênia registou nos dois últimos meses chuvas intensas, causando inundações e enchentes que mataram 118 pessoas, segundo o último relatório publicado ontem pelo Escritório das Nações Unidas de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA).

*Com informações do site Jornal Floripa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.