Itabuna tem o menor índice de infestação do Aedes Aegypti dos últimos seis anos

Os índices de infestação predial causados pelo Aedes Aegypti em Itabuna reduziram de 12,3% (agosto) para 8,6% (outubro), uma queda que não se registrava na cidade há seis anos. Os dados são do Levantamento de Índice Rápido de Infestação de Aedes Aegypti (LIRAa), realizado entre os dias 17 e 19 deste mês. Importante lembrar que os resultados foram consequência de ações organizadas pela Prefeitura Municipal de Itabuna em conjunto com a Secretaria Municipal de Saúde, NRSul/7ª Dires e Ministério da Saúde.

O coordenador de Endemias da Secretaria Municipal de Saúde, Roberto Góes, destaca que houve uma redução considerável, mas o município ainda está em situação de alerta. “Temos feito um excelente trabalho de conscientização junto à população, mas Itabuna ainda está na classificação de Alto Risco, que é todo índice acima de 3,9%”, frisa.

A redução deste índice é atribuída, de acordo com Roberto Góes, a ampliação das ações de conscientização, disponibilização de material de trabalho para as equipes, apoio do Prefeito e Secretário de Saúde, comprometimento dos agentes e apoio da população, porém, lembra que em alguns bairros a situação ainda é crítica, a exemplo do Antique (34% de infestação predial) e Jardim Primavera (27%), apesar das ações realizadas nestes locais. “Os moradores precisam ter maior atenção com suas casas, procurando locais de possíveis focos”, destaca.

E finaliza lembrando que a melhor forma de evitar a dengue é combater os focos em locais propícios para a criação do mosquito transmissor da doença. “Por isso, é importante tomar medidas de prevenção, como não acumular água em latas, embalagens, copos plásticos, tampas de refrigerantes, pneus velhos, jarros de flores, garrafas, caixas d’água, jogar cloro nos ralos, colocar baldes em áreas cobertas virados para baixo, entre outros”. Denúncias de focos de dengue podem ser realizadas pelo Disk Dengue 3612-8324.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.